Um em cada dez consumidores contratou financiamento no último ano, aponta pesquisa do SPC Brasil e da CNDL

Foram entrevistados 910 consumidores no mês de março, nas 27 capitais brasileiras, acima de 18 anos, de ambos os gêneros e de todas as classes sociais. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais para uma confiança de 95%


21/06/2018 09h55

Uso do crédito tem como principais finalidades compra de carro, pagamento da faculdade e aquisição de móvel próprio; 20% dos entrevistados que possuem parcelas em aberto admitem estar com prestações atrasadas

Uma pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) em todo o país revela que 10% dos brasileiros fizeram algum tipo de financiamento nos últimos 12 meses, sobretudo as classes A e B (16%). Desse total, 43% contrataram essa modalidade de crédito para a compra do carro novo, 20% para bancar a faculdade e 17% para realizar o sonho da casa própria. Entre outras razões mencionadas, destacam-se a compra de móveis (17%), eletrônicos (12%), motocicleta (12%) e reforma do imóvel (11%).

Apesar da maior parte dos financiamentos estar relacionada a itens que exigem planejamento, 42% dos entrevistados relataram que recorreram a este tipo crédito para suprir alguma necessidade pontual ou imprevisto. Ao passo que 35% buscavam concretizar um sonho de consumo. Além disso, o estudo mostra que 14% dos consumidores financiaram algum bem em benefício de amigo ou parente. Por outro lado, 87% não fizeram qualquer tipo de financiamento no último ano.

“Muitos brasileiros desejam comprar um carro zero, a casa própria ou fazer um curso superior, mas não têm condições financeiras para pagar à vista. E o financiamento viabiliza a concretização do sonho. Sem ele a maioria das pessoas não conseguiria adquirir bens de alto valor. Apesar disso, um compromisso financeiro de longo prazo como esse exige muito planejamento para garantir que a saúde financeira da família não seja prejudicada”, explica a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

26% dos brasileiros não avalia custos com financiamento; um em cada cinco assume não ter controle dos pagamentos

Embora a pesquisa revele que 71% dos brasileiros que realizaram algum financiamento no último ano tenham analisado as tarifas e os juros cobrados na hora de contratar o serviço, 26% não chegaram a estudar os custos — sendo que 14% reconhecem só ter avaliado se a parcela a ser paga cabia no orçamento. Antes de decidir pelo financiamento, 78% dos consumidores afirmam ter verificado a real possibilidade de quitar as prestações ao longo de todo o período, enquanto 16% não avaliaram.

O estudo também quis saber a percepção dos entrevistados quanto aos juros cobrados na contratação dos financiamentos e 22% consideram as taxas abusivas. Cerca de 33% acham os valores altos e 30% disseram que os valores praticados são razoáveis.

Quando questionados sobre como administram o pagamento das parcelas, um em cada cinco entrevistados (23%) assume não controlar de forma efetiva esses pagamentos. Já 77% afirmam acompanhar de perto os gastos com o financiamento, sendo que 30% o fazem por meio de anotações em caderno ou agenda. Outros 24% registram as despesas em aplicativos de celular e 23% em planilhas de computador.

20% dos entrevistados com financiamento em aberto admite ter parcelas atrasadas; a média é de duas prestações em atraso

Os entrevistados declararam ter, em média, entre um e dois financiamentos em aberto, dos quais 33% têm um, 18% possuem dois e 5% três ou mais. Entre os que mantêm financiamentos em aberto, a quantidade média de parcelas a pagar é de 18 prestações. Enquanto 34% afirmam não ter financiamento atualmente por já quitarem seus compromissos no último ano.

A falta de controle dos gastos acaba refletindo na inadimplência de um número significativo de consumidores que possui financiamento. Um em cada cinco entrevistados com financiamento em aberto (20%) têm parcelas em atraso, com uma média de duas prestações atrasadas por pessoa. Na contramão, 72% estão com o pagamento das parcelas em dia.

As consequências para quem atrasa o pagamento das prestações implicam no pagamento de multas e juros, até a negativação do nome. A pesquisa mostra que dois em cada cinco entrevistados (39%) já ficaram com o nome sujo pela falta de pagamento de parcelas do financiamento, sendo que 27% regularizaram a situação e 12% permanecem negativados.

10% dos brasileiros não conseguiram financiamento nos últimos três meses; nome sujo é principal motivo de pedido negado

Dois em cada dez consumidores tentaram fazer algum tipo de financiamento nos últimos três meses (16%), mas 10% teve pedido negado ― sobretudo as classes C, D e E (11%). E os principais motivos estão ligados à restrição do nome em cadastros de proteção ao crédito (54%), valor do financiamento maior do que o permitido pela renda (24%) e inexistência de garantias para os credores (9%).

Entre os consumidores que tiveram seus financiamentos negados, 30% pretendia comprar um carro, 16% planejava adquirir um imóvel, 13% eletrônicos e 10% móveis. Por outro lado, apenas 6% dos entrevistados conseguiram aprovação de financiamento e 84% disse não ter tentado contratar financiamentos no período.

“Diante da situação de recessão da qual o país se recupera, os bancos e credores passaram a ser mais seletivos na hora de conceder crédito. O cenário recessivo levou ao crescimento do desemprego e impôs limites à renda disponível do consumidor, o que aumenta o risco do empréstimo. Na prática, isso implica na maior rigidez na concessão de crédito. Ainda assim, dados do Banco Central do Brasil mostram que o saldo total de crédito no país para pessoas físicas vem se recuperando, e mostra crescimento em doze meses”, destaca a economista do SPC Brasil.

Metodologia

Foram entrevistados 910 consumidores no mês de março, nas 27 capitais brasileiras, acima de 18 anos, de ambos os gêneros e de todas as classes sociais.

Fonte: SPC Brasil


Avança Varejo